Conheça João Martins

João Cerqueira Martins Filho é filho de João Martins da Silva (Praxede) e Virgília Cerqueira Martins (Zila). Nasceu em Irará - Bahia no dia 23 de Junho de 1949. Reside em Salvador - Bahia.

Era véspera de São João e a Fazenda Picada, do seu avô Antoninho, já estava num clima de festa. Sua mãe, Zila, percebeu logo ao saltar do carro de boi todo forradinho e macio que o rebento não queria mais esperar. Não deu outra:
o menino nasceu às pressas e até muito animado.
Que menino artista!

Primeira Ilustração Tudo começou aqui...
Num pequeno esboço, uma grande idéia e um caminho a seguir. Nascia ali, em 1995, o estilo da minha Pintura, próprio, criativo e alinhado aos meus sentimentos e inspirações poéticas.
Aquela semente germinou, cresceu, floriu, frutificou. Ali, eu me encontrei. Achei a trilha, por onde andarei...

 

 

Visite a Galeria

Sua maior inspiração é a natureza, e a sua pintura é pura poesia.

Visite essa Galeria e veja todas as Exposições que ilustram a trajetória desse pintor "colorista".

Galeria

Arte é uma forma de expressão. Nela procuro demonstrar o meu íntimo e até a forma de ver o mundo. Na arte faço a leitura da minha alma e revelo o que sinto e o que sou. Nas cores que uso intensamente em meus quadros tento transmitir com lirismo o sentimento poético que encontro dentro de mim e atingir a emoção das pessoas, seja na beleza das nuanças coloridas das abstrações cromáticas, seja no realismo e fantasia das figuras e paisagens, muitas delas vindas da infância, e, sobretudo, da cultura iraraense que exerce grande influência na minha arte. Em cada detalhe das composições que faço estarei abrindo “janelas” para que possamos vislumbrar e até viajar na imagem e sentir a alegria do belo. Assim, quero mostrar na minha pintura, festiva e cheia de cores, a simplicidade da minha poesia.

João Martins

Poesias

Livre como o pássaro.
Sem limites de vôo e sem cordões de isolamento.
Livre, como o céu e a chuva, que apesar da nuvem turva não precisa de um botão para ser e acontecer.

Te darei todas as estrelas o crepúsculo e o luar.
Até o sol das manhãs amornarei pra te ninar.
Apanharei o arco-íris para te enfeitar de cores.
E para te perfumar te darei todas as flores Mas o melhor já tem de mim: a certeza de te amar e o meu amor sem fim.

E Deus criou o homem...
Certamente, logo depois, veio a criação da arte.
Seria preciso inventar uma emoção diferente, envolvente, para que o próprio homem se entendesse como ser, sensível, e confiante em si mesmo.

Era tudo tristezacomo se fosse belezanaquela criança infeliz...
Era a falta do prato.
Era a falta da cama.
Era o abismo e era o salto.
Era a fome e era o dramade nem ter a casa.
Era a vida...
sem vida.

Das frutas
eu quero
a delícia da seiva
e do mel.
Da vida
eu espero
o doce prazer
de viver o meu eu.

Ondas brancas.
Areias finas.
Ancas femininas que se deitam nas areias brancas de Amaralina.
Ancas de sereia.
Seria sereia, ou seria minha menina?

Imprensa

2001 - Jornal AABB

2001 - Jornal AABB

2001 - Calendário 2001

Fotos, Textos e Comentários

Existem mesmo cores poéticas? Quais as cores poéticas? João Martins, que sabe muito de cores e poesia, mostra em seus quadros, aqui expostos, com quantas cores se faz uma poesia.

Floriano Teixeira

Mais textos e fotos

CONTATO

Seu contato é muito importante, preencha os dados solicitados abaixo para nos enviar sua mensagem.

Sua mensagem foi enviada. Obrigado!
Houve um erro, por este motivo não conseguimos enviar sua mensagem
Aguarde um momento, sua mensagem esta sendo enviada
71 988878-0613
poetadacor13@gmail.com